logo.gif (21429 bytes)


O I Ching e o DNA

Apesar de conhecido desde o início do século, foi com o famoso estudo de Watson e Crick que o DNA ganhou a importância científica que tem hoje, conferindo aos seus pesquisadores o Prêmio Nobel de 1962. Chamada de “molécula da vida”, contém a codificação genética dos seres vivos, determinando espécies e todas as suas características, programando todos os processos de vida por intermédio de 64 palavras codificadas, cada uma constituída de três dentre quatro letras. Sua estrutura básica é formada pelos cordões positivo e negativo, semelhante aos princípios básicos Yin e Yang do I Ching. A semelhança não é fortuita, como mostram as coincidências na tabela de comparação vista abaixo.

O DNA é uma molécula semelhante a uma corrente, formando um cordão duplo contorcido (hélices antiparalelas). Essa dupla hélice é constituída por duas correntes alternadas de grupos fosfóricos e de desoxirribose, interligados por hidrogênios a intervalos regulares por dois pares de bases. Essas bases são o par Timina (T) - Adenina (A) e o par Citosina (C) - Guanina (G). Essas letras A, G, C e T são as letras do código e formam par com as letras T, C, G, e A do degrau paralelo da dupla hélice, encaixando-se exatamente como os elementos de um zíper. O código genético depende da seqüência ou ordenamento de cada par base, que ligam as hélices. Três dentre estas 4 letras constituem uma palavra-código, resultando numa combinação de 64 elementos.
Modelo de Crick-Watson do ácido desoxi-ribonucleico (DNA). Um dos dois ácidos nucleicos na composição dos cromossomos, o DNA contém informação genética e é uma das moléculas gigantes mais estudadas.
Os pares A, G, T e C ligam as hélices, deteminando a codificação.

A serpente do I Ching, símbolo tão antigo quanto o oráculo, parece indicar a incrível semelhança com o DNA, como que antecipando essa descoberta.


Cronologia da descoberta

circa 3000 A.C. – Fu Hsi estabelece as bases do sistema binário e do I Ching, na forma das forças Ying e Yang.

1713 – Leibnitz, matemático suiço, cria em 1713 as bases do sistema matemático binário, onde os valores são expressos em função dos estados "1" (ligado, positivo) e "0" (desligado, negativo). Foi a partir daí que foi possível o desenvolvimento do sistema binário que é a base dos computadores. Leibnitz identifica as semalhanças do I Ching com seu sistema binário.

1953 – Watson e Crick identificam o DNA como portador da informação genética.

1962 –Watson e Crick comunicam a descoberta da molécula do DNA e ganham o Prêmio Nobel por isso.

1969 – Surge o artigo de E. H. Gräfe na revista de medicina geral Der Landarzt, intitulado "I Ching, o Livro das Mutações e o código genético, o Livro da Vida".

1973 – O médico Martin Schönberger publica o seu livro "Verborgener Schlüssel zum Leben", mostrando a concordância exata do código genético com a estrutura numérica e o princípio de polaridade do I Ching.

Quadro-resumo das semelhanças

DNA I Ching
O DNA encerra todos os processos vitais de todos os seres vivos, determinados por uma estrutura com formação precisa. O I Ching engloba todos os processos existenciais dos seres vivos, através de uma estrutura com formação precisa.
A base do DNA é constituída pela polaridade da dupla hélice, sendo a manifestação fundamental da vida. A base do I Ching é constituída pela polaridade Yin-Yang, manifestação fundamental do princípio universal.
Quatro moléculas compõem a hélice dupla do DNA: adenina, timina, citosina e guanina; elas se interligam aos pares. Quatro símbolos são utilizados para compor uma codificação: yang-repouso, yang-móvel, yin-repouso e yin-móvel; eles se interligam aos pares.
Três destas moléculas formam uma palavra-código para a síntese da proteína. Três destes símbolos formam um trigrama, que é a imagem fundamental a formar os hexagramas.
Cada palavra é constituída de três letras dentre quatro possíveis. Cada trigrama é constituída de três símbolos dentre quatro possíveis.
A direção de leitura das palavras-código é estritamente determinada. A direção de leitura dos trigramas é estritamente determinada.
Duas das tríades denominam-se "início" e "fim". Marcam o começo e o término de uma frase-código. Dois dos hexagramas denominam-se "Antes do Fim" e "Após o Fim". Marcam fim e início de uma situação vivencial.
A programação da identidade genética é determinada por um código de 64 palavras. Os hexagramas são as identidades de interpretação e formam um conjunto de 64 condições.
Uma ou diversas tríades programam a construção de cada um dos vinte aminoácidos; seqüências bem determinadas dessas tríades elaboram a forma e construção de todos os seres vivos, dento de um contexto evolutivo. Uma ou diversas tríades formam hexagramas que fornecem imagens vívidas e precisas de estados dinâmicos da vivência; seqüências bem determinadas dessas tríades determinam uma programação de destino, dentro de um contexto evolutivo.